Menu

06/ 08/ 2018

Garis recebem vacinas contra H1N1 e Hepatite

Clique para ampliar

A Secretaria Municipal de Transportes e Vias, em parceria com a Secretaria de Saúde de Jaçanã, realizou, neste mês de agosto, diversas ações visando ampliar a segurança e a qualidade de vida dos motoristas e garis que atuam na coleta de lixo do município.

Nesta última sexta-feira (03), uma equipe de saúde acompanhados sob a orientação da enfermeira Patrícia Fonseca realizou, na sede do serviço de coleta da Prefeitura, a vacinação de mais de 28 garis. Os servidores foram imunizados contra H1N1 e hepatite B, uma vez que, devido à característica do serviço e à falta de consciência de parte da população (que descarta, de forma incorreta, materiais perfurantes e/ou cortantes), eles estão sujeitos a contraírem estas doenças em acidentes com cacos de vidro e seringas.

DESCARTE SEGURO:

Vidros: A melhor maneira de descartar cacos de vidro é agrupá-los em jornal, caixas de leite ou caixas de papelão, evitando que o material fique diretamente em contato com sacolas plásticas na hora do descarte. Isso diminui o risco de cortes proporcionado pelo contato com os cacos e faz com que as sacolas não se rasguem, dispersando pedaços cortantes.

Seringas: Seringas não podem ser descartadas no lixo doméstico, mas encaminhadas para estabelecimentos de saúde que recebam este material.

ENTENDA O ESQUEMA VACINAL DE CADA UMA DAS VACINAS:

Hepatite B: se a pessoa não tiver comprovação vacinal, a vacina será administrada em três doses com intervalo de 30 dias entre a primeira e a segunda dose, e de seis meses entre a primeira e a terceira dose. O idoso com esquema vacinal incompleto receberá apenas as vacinas que faltam para completar o esquema.

Difteria e tétano (dupla adulto): sem esquema ou com esquema incompleto para difteria e tétano, será completado o esquema de três doses, considerando as doses anteriores. Com esquema vacinal completo para difteria e tétano, é importante que a vacina reforço seja administrada a cada 10 anos.

Febre amarela: para o idoso que nunca foi vacinado ou sem comprovante de vacinação, o médico deverá avaliar o benefício/risco da vacinação e a necessidade de administrar uma dose, levando em conta o risco da doença e o risco de eventos adversos nessa faixa etária ou decorrentes de comorbidades, e o histórico vacinal.

Vacina contra a influenza:  pessoas com mais de 60 anos fazem parte do grupo prioritário de vacinação contra a gripe. Neste ano, a campanha vai até 9 de junho. A vacina contra influenza é segura e também é considerada uma das medidas mais eficazes na prevenção de complicações e casos graves de gripe. 

Vacina pneumocócica 23-valente: é administrada durante a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza nos indivíduos de 60 anos, e os não vacinados que vivem acamados ou em instituições fechadas, como casas geriátricas, hospitais, unidades de acolhimento ou asilos e casas de repouso.

Avanços

Com a oferta de vacinas dentro do Programa Nacional de Imunizações, o Ministério da Saúde conseguiu a erradicação do sarampo e a eliminação do tétano neonatal, além do controle de outras doenças imunopreveníveis, como difteria, coqueluche e tétano acidental, hepatite B, meningites, formas graves da tuberculose e rubéola, assim como a manutenção da erradicação da poliomielite.

ASCOM | Fonte: Ministério da Saúde e Secretaria Municipal de Saúde


Compartilhe: